Por que aprender Matemática?

prof. Fernando Batista

A maioria dos brasileiros prestou ou prestará concurso público em algum momento da vida e, nesse momento, provavelmente perceberá que uma das ferramentas para conseguir passar à frente de diversos candidatos é a Matemática. Além desse motivo, a Matemática também pode ser útil para desenvolver outras habilidades como o raciocínio lógico, o pensamento crítico, a formulação de hipóteses a partir da realidade observada, entre outras. Se entendermos a Matemática como a ‘arte de resolver problemas’, podemos dizer que a pessoa bem estudada nessa ciência é mais capaz de observar a realidade e, a partir dos dados obtidos, solucionar os problemas analisados. E isso, ao meu ver, é o que a torna a Rainha das Ciências. Pois a ciência é justamente a observação, análise e busca pela solução dos mais variados desafios.

A Matemática, infelizmente, também é vista por muitos como uma mistura de assuntos misteriosos, confusos e impossíveis de entender. Uma pessoa que cresce acreditando nisso se torna um adulto muito incrédulo na própria capacidade de aprender esses assuntos, por essa razão acredito que é mais eficiente começarmos a mudar a forma de enxergar e estudar a Matemática desde a infância. Afinal, a mente de uma criança é certamente mais apta a acreditar em suas potencialidades.

O problema é parcialmente este: não nos dizem, ou não nos dizem cedo o bastante para que entre em nossa cabeça, que a matemática é uma linguagem e que podemos aprendê-la como qualquer outra, inclusive a nossa própria. Temos de aprender nossa língua duas vezes: primeiro quando aprendemos a falar, depois quando aprendemos a ler. Felizmente, a matemática só tem de ser aprendida uma vez, já que é uma língua quase que totalmente escrita. (ADLER, 2010, p.268)

Nesse sentido, quero expor aqui novamente que o Cafemática é um projeto de vida cuja intenção NÃO é que as pessoas tragam suas tarefas ou trabalhos para que eu os resolva, bem como também NÃO é intenção ensinar apenas o que já é ensinado na escola, mas sim trabalharmos de modo a desenvolver em quem assiste, pouco a pouco, um senso matemático mais apurado, para que desenvolvam suas habilidades, percam o medo dessa disciplina e consigam aprender essa linguagem que é a Matemática (e também um bocado de programação).

Tal processo de aprendizado, vale frisar, é lento e precisa ser constante, pois assim como não é de um dia para o outro que se aprende inglês, por exemplo, também não é de um dia para outro que se aprende Matemática.

Por isso sempre repito o pedido de que favorite o site, inscreva-se no canal pra acompanhar os vídeos, clique no bendito sininho pra receber as notificações e, claro, converse comigo pra eu ter esse feedback de como estão sendo e como você gostaria que fossem nossos encontros (sejam eles em vídeo ou em texto).

Forte abraço, obrigado por ter lido até aqui, tenha um ótimo dia e até a próxima!


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ADLER, Mortimer; DOREN, Charles. Como ler livros: o guia clássico para a Leitura Inteligente. São Paulo: É Realizações, 2010. (Coleção Educação Clássica)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: